terça-feira, 8 de janeiro de 2013

VIDA INTRA-UTERINA


     Você sabia que: Tudo que a mãe pensa, sente, imagina, vivencia o bebê em gestação recebe diretamente todas as informações transformando-se em programações?

     Tempos atrás, achava-se que o bebê nascia feito uma folha em branco, que aos poucos, depois de nascer, imprimiam-se informações segundo a sua realidade e meio ambiente.

     Hoje sabemos que todos os acontecimentos com uma mulher grávida ficam registrados no bebê, no seu arquivo de memória – o Subconsciente – e têm uma importância fundamental para toda a vida.

     Ao acontecer a fecundação, “o ovo” contém todo um código genético que determina os caracteres físicos do bebê. Mas há também informações de programações psicológicas, referências mentais a respeito da imagem de homem, de mulher, de família, de doenças, de saúde, as quais são passadas telepaticamente entre gestante e bebê, sobre o passado dos ancestrais e sobre o momento presente da mãe, o mundo interior e exterior, em que ela vive.

     Como o bebê recebe as informações de tudo o que a mãe pensa, sente ou imagina, de modo que ao nascer não está só pronto fisicamente, mas com seu Subconsciente contendo também traços básicos e informações capazes de caracterizar a sua personalidade.

     O momento em que a mãe de forma consciente sabe que está grávida é de fundamental importância para o bebê que já está sendo gerado, pois o seu subconsciente já está registrando tudo. Se a reação da mãe foi de alegria o feto capta e participa da felicidade da mãe e de todo o contexto que está inserido: sente-se acolhido, amado, aprovado.

     Porém se a situação é o inverso, a mãe pensa ou diz expressões: Meu Deus, eu grávida? E agora? A reação negativa da mãe é captada pelo feto. Sejam da mãe, do pai, dos avós, etc. expressões negativas registram uma rejeição em nível subconsciente, pois o feto sofre o impacto de “eles não me querem”.

     A rejeição à gravidez só acontecia em circunstâncias consideradas anormais, como mãe solteira, mulher doente, marido alcoólatra e mulher mal casada, pois o normal eram os filhos representarem bênção divina e mão de obra importante para a família e a sociedade.
Nos dias atuais, a rejeição de gravidez atinge proporções cruéis.

     Inúmeras são as formas e incontáveis os motivos que podem conduzir uma mulher ao processo de rejeição de uma gravidez. Cada motivo e cada forma de rejeição produzem tipos distintos de programação que irão marcar a vida da pessoa que é gerada em tal condição, atuando sobre as três grandes realidades da vida dos seres humanos:

a)           Orgânica - quando as programações interferem sobre o próprio organismo;
b)           Afetivo-emocional – quando as programações interferem nas reações emocionais e comportamentais das pessoas;
c)           Factual – quando as programações interferem sobre os fatos, os acontecimentos e o próprio destino da pessoa;

     Quer saber mais? Na próxima a detalharemos mais o assunto!

    Será que você veio de forma programada ou inesperada?

    É bom descobrir! Muitas coisas que acontecem na sua vida hoje podem estar relacionadas a esse momento! Mas lembre-se: Nenhuma mãe rejeita o filho! O filho que se sente rejeitado!

   O que pode ter ocorrido é que a gestação aconteceu num momento complicado da vida dessa mãe, ok? 

Grande abraço e até a próxima!!!

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir